Culturas Energéticas

As culturas energéticas,  à excepção do cânhamo,  destinam-se à produção de produtos energéticos, cujo destino principal é a produção de produtos considerados biocombustíveis e energia eléctrica e térmica produzida a partir de biomassa. Dos biocombustíveis, destacamos o Biodiesel, produzido a partir de oleaginosas como o girassol, a colza, o cardo ou a soja, e o Bioetanol, produzido a partir de amiláceas – culturas onde é possível extrair amido – tais como o trigo, o milho, a batata, etc.

A utilização deste tipo de culturas e o estabelecimento da respectiva indústria de transformação podem contribuir substancialmente para criar novos mercados para a agricultura e promover o desenvolvimento rural criando postos de trabalho, aumentando o rendimento dos agricultores e contribuindo para o auto-abastecimento energético a nível das comunidades rurais.

A Biomassa é a matéria orgânica, quer seja de origem vegetal quer animal, que pode ser utilizada como fonte de energia. A biomassa, depois do Sol, é uma das mais antigas fontes de energia, utilizada pelo Homem.

A biomassa tem origem na fotossíntese, através da qual os produtores primários fixam o CO2 da atmosfera, utilizando a energia da radiação solar e o transformam na matéria que compõe as plantas. Podemos considerar a biomassa como energia solar aprisionada.

As plantas são um produto directo da fotossíntese. Durante o processo da fotossíntese o Sol fornece, sob a forma de radiação, a energia de que as plantas necessitam para transformar a água, o dióxido de carbono e os minerais (nutrientes) em oxigénio e açúcares. Os açúcares são compostos de carbono, oxigénio e hidrogénio que fornecem energia ás plantas e aos animais que delas se alimentam. Os alimentos ricos em açúcar são uma boa fonte de energia.

Tipos de biomassa que são usados para fornecer energia:

  • Culturas energéticas incluindo as culturas de curta rotação.
  • Resíduos, incluindo-se nestes os resíduos florestais e os das indústrias da fileira florestal.
  • Os resíduos agrícolas e das industrias agro-alimentares bem como os seus efluentes.
  • Excreta animal proveniente das explorações pecuárias.
  • A fracção orgânica dos resíduos sólidos urbanos esgotos urbanos.

Os Biocombustíveis contribuem, em termos de política energética, para diversificação das fontes, segurança energética, diminuição da dependência do exterior e redução das emissões de gases com efeito de estufa, têm igualmente como objetivos a criação de novos mercados e fontes de rendimento para os produtos agro-florestais e de oportunidades de emprego nas zonas rurais contribuindo para um desenvolvimento rural sustentável.

  • Medidas de Apoio aos Agricultores:
    • IFAP – Regime de Pagamento Único
    • Apoios PDR 2020 – Medida 3. Valorização da Produção Agrícola. No âmbito das medidas agrícolas do PDR 2020 (3.2.1 Investimento nas explorações agrícolas e 3.2.2 Pequenos investimentos nas explorações agrícolas), podem ser financiados investimentos em equipamentos e infraestruturas para as culturas de oleaginosas como o girassol, a colza, o cardo ou a soja, bem como, para o trigo, o milho, a batata, etc.

Medida 3. Valorização da Produção Agrícola

  • Ação 3.2. Investimento na Exploração Agrícola

Operação 3.2.1. Investimento na Exploração Agrícola

Operação 3.2.2. Pequenos Investimentos nas Explorações Agrícolas

Relativamente às medidas de Transformação e Comercialização (3.3.1 Investimento na transformação e comercialização de produtos agrícolas e 3.32 Pequenos investimentos na transformação e comercialização de produtos agrícolas), os investimentos para a produção de Biodiesel e Bioetanol, não são elegíveis.

Para mais informação pode consultar: